Lá se pensam, cá se fazem.

Vencedores da IV Edição do FAZ-Ideias de Origem Portuguesa

O programa FAZ- Ideias de Origem Portuguesa procura uma mudança de paradigma na forma como vemos a Diáspora Portuguesa. Hoje em dia, no mundo global, já não há o cá e o lá. O que temos são 15 milhões de Portugueses com uma cultura, identidade próprias e ligação forte a Portugal. 10 milhões estão em território Português e 5 milhões estão espalhados pelo mundo. Estes 5 milhões espalhados pelo mundo representam um ativo incalculável para o nosso país, em termos de conhecimento, de rede, e de oportunidades de inovação. O FAZ-IOP procura ser um catalisador dessas oportunidades, identificando e dinamizando ideias com impacto social para Portugal, geradas pela Diáspora Portuguesa, e criando as condições em termos de conhecimento e financiamento para que essas ideias sejam implementadas. Esta é a quarta edição do programa com 54 projetos submetidos e 10 projetos finalistas, que receberam acompanhamento desde final de Abril e formação em empreendedorismo social através de um bootcamp IES Powered by INSEAD. Depois do bootcamp de 2 dias, o júri do concurso ouviu o pitch de todas as equipas finalistas e, após análise dos projectos, escolheu os três vencedores.

1º Lugar

Rio Frio – Território Criativo: Pretende-se aproveitar os recursos abandonados ou pouco explorados, neste caso o pastoreio em 400 hectares de terrenos baldios, e instalar um rebanho coletivo (200 cabras autóctones da raça serrana e bravia) em que os habitantes da freguesia e a diáspora são convidados a adotar um animal. Essa adoção pressupõe o pagamento de uma quantia anual. Desta forma resolve-se ou minimiza-se o risco de incêndio diminuindo a carga combustível no território; promove-se o equilíbrio dos ecossistemas e a conservação da biodiversidade, com particular destaque para a preservação da fauna e flora autóctones; desenvolvem-se dinâmicas territoriais e cria-se riqueza que sirva para suprir necessidades básicas e proporcionar algum conforto à população da freguesia de Rio Frio, muito envelhecida e socialmente deprimida. Esta iniciativa complementa outras que visam tornar o território resiliente e sustentável. Espera-se ainda o reforço dos laços afetivos da comunidade emigrante às suas origens e o fomento do espírito solidário entre conterrâneos.

Saiba mais ...

2º Lugar

TEIA | Transforming Emigration Into Action: A TEIA é um marketplace online que quer juntar empreendedores portugueses que pretendam internacionalizar os seus negócios, recorrendo para tal a emigrantes portugueses estabelecidos profissionalmente no estrangeiro. Através da TEIA, os empreendedores têm a possibilidade de contratar serviços de profissionais portugueses estabelecidos nos mercados-alvo dos seus negócios. Os emigrantes, por sua vez, têm a oportunidade de manter-se vinculados ao tecido empresarial português, apesar da sua distância do país. Os promotores deste projeto pretendem promover parcerias com o AICEP, Embaixadas e Câmaras do Comércio com o objetivo de prestarem um serviço complementar a estas instituições. O projeto piloto encontra-se a decorrer no Chile, em virtude de dois dos promotores estarem a residir neste país.

Saiba mais ...

3º Lugar

Webradio para Crianças: Este projeto consiste numa rádio online para crianças falada em português. Os temas, notícias, a música e os conteúdos serão direcionados para crianças mas serão igualmente uma ferramenta para os pais, educadores e outras pessoas que trabalhem com este público. Esta rádio tem como público-alvo crianças e famílias portuguesas e/ou luso-descendentes, residentes em qualquer parte do mundo. Os objetivos do projeto passam por proporcionar às crianças o contacto com a língua portuguesa e acompanhar o que se passa no país; e fornecer ferramentas e promover atividades para que os professores/educadores, pais e outros adultos que lidem ou trabalhem com crianças possam ter acesso a um leque variado de recursos digitais.

Saiba mais ...

Os Prémios

Os projetos vencedores receberão no seu conjunto um total de 50,000 euros como capital semente para a sua implementação, mas todos os dez finalistas do Faz-IOP III terão apoio ao acompanhamento dos projetos durante seis meses, num compromisso da Fundação Calouste Gulbenkian de continuar a apostar nos talentos da comunidade Portuguesa no mundo, ligando-a aos desafios e oportunidades da sociedade Portuguesa.