Lá se pensam, cá se fazem.

+ Surf

mar, formação, surf

Portugal tem soberania e jurisdição sobre uma das áreas marítimas mais extensas da Europa, com uma dimensão 18 vezes superior ao território nacional. O valor do mar em Portugal encerra potencialidades para assumir uma importância expressiva na economia portuguesa, e na preservação dos recursos naturais, sendo que esse valor depende da determinação com que as novas gerações apostem no mar, o que terá de ser potenciado pelo despertar da cultura marítima. Parece-nos no entanto paradoxal que numa época em que o mar é apontado como o novo desígnio nacional (blue growth), as atenções se mantenham ancoradas nas actividades marítimas tradicionais, ignorando-se a criação de emprego em sectores emergentes onde o produto e o mercado começam agora a dar os seus primeiros passos. Acreditamos que o sucesso do despertar das novas gerações para a cultura marítima e oportunidades que o mar representa para si, passa por reconectá-las com o mesmo, apostando na motivação intrínseca daqueles, que mostrem empenho em prosseguir a sua formação, apostando nas novas indústrias criativas e de produção relacionadas com o surf. Apesar da nossa condição de País Atlântico, as últimas décadas e a contemporaneidade “reduziram” o papel do mar em Portugal a um ancoradouro das inúmeras indústrias que junto a ele se estabeleceram, limitando as oportunidades e condicionando as escolhas dos mais jovens, afastando profissional e afectivamente as suas comunidades do seu maior activo..... o MAR. Em contra corrente, o surf cresceu tendo ganho maturidade e capacidade crítica, contribuindo hoje muito para além da esfera desportiva. O surf contribui hoje decisivamente em áreas como a manutenção e preservação do ecossistema marítimo, actuando igualmente como importante player na economia do mar gerando anualmente receitas de 400 milhões de euros. (in relatório do debate promovido na Católica Lisbon School of Business & Economics sobre o tema "A onda do Surf em Portugal terá impacto na Economia?). Apesar deste valioso contributo, os surfistas são sistematicamente excluídos por aqueles com poder de decisão sobre os destinos do Mar Português, persistindo o estigma que rotula como desvantagem a oportunidade. De forma a inverter este paradigma propomos o desenvolvimento de um programa de Mentoring e Formação na área da Indústria de Surf (programa +Surf) para jovens provenientes de zonas costeiras, que contemple o contacto e aprendizagem com comunidades estrangeiras para quem o surf seja algo central não só na sua economia, mas também na sua identidade cultural. Queremos que os nossos jovens aprendam lá fora e actuem cá dentro! Este programa contempla a atribuição de bolsas de estágios educativos, promovendo a articulação das instituições de ensino locais com instituições de ensino superior especializadas na formação na área da indústria do surf, situadas em Países em que o surf é um valor acrescentado reconhecido e um motor da economia local. Pretendemos iniciar a nossa acção ao abrigo de um protocolo com a South Crossern University, na Austrália.

Rui Loureiro

Visionário
Coimbra, Portugal

António Godinho

Facilitador
North Narrabeen, Sid, Austrália

Miguel Figueira

Comunicador
Figueira da Foz, Portugal

Comentários